Energisa Juntos

Sustentabilidade: Energisa inaugura dois parques de energia solar em Rio do Peixe/PB

Em linha com os compromissos ESG assumidos pelo Grupo até 2050, Energisa avança no objetivo de inserir fontes renováveis no Brasil com sustentabilidade, segurança energética e confiabilidade na matriz.

Publicada em: 16/09/2022

 Categoria:

 Energia 4.0

 Região: 

Região: 

Paraíba

O Grupo Energisa está de volta ao mercado de geração centralizada (mais de 50MW de potência) com dois empreendimentos que têm nome de hidrelétrica, mas são 100% de matriz solar. 

Acabam de entrar em operação os parques solares Rio do Peixe I e II, na Paraíba, com 70MWp de capacidade instalada destinada à comercialização no mercado livre. A nova operação segue a diretriz já anunciada de apostar exclusivamente em energia limpa e aproveitar as sinergias com os outros negócios do Grupo, como a distribuidora de energia da Paraíba, uma das maiores do grupo. 

Os parques solares Rio do Peixe I e II, localizados no Estado da Paraíba, detém 70 MWp de capacidade instalada total. O investimento foi de R$ 334,5 milhões, com geração de cerca de 600 empregos na região durante o período de implantação. Os empreendimentos possuem o certificado global de energia limpa I-REC, que agrega valor ao Megawatt gerado e confirma sua origem de fonte renovável.

A construção destas usinas faz parte da estratégia de diversificação do portfólio do Grupo Energisa. A companhia já atua em geração solar distribuída e agora tem seu primeiro empreendimento de geração centralizada em operação comercial – e justamente com uma fonte limpa.

Nos próximos cinco anos, a energia gerada nestes parques será comercializada no mercado livre pela (re)energisa, marca voltada para os negócios não-regulados que traz um ecossistema de soluções para acelerar a transição energética de nossos clientes. Além de levar maior confiabilidade energética para a região e reduzir perdas elétricas para os clientes, as duas usinas vão evitar a emissão de cerca de 15 mil toneladas de CO2 por ano na atmosfera. 

Leia também: 

Compartilhe essa notícia